quinta-feira, 9 de agosto de 2012

EXTINÇÃO DE ABELHAS


IBAMA SUSPENDE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS ESPECÍFICOS POR AERONAVES


As abelhas são consideradas os principais polinizadores em ambientes naturais e agrícolas, e contribuem para o aumento da produtividade agrícola, além de serem diretamente responsáveis pela produção de mel.

O IBAMA informou que suspendeu, em caráter cautelar, a aplicação por aeronaves, de agrotóxicos que contenham os ingredientes ativos Imidacloropido, Tiamexotam Clotianidina ou Fipronil, isoladamente ou em misturas com outros ingredientes ativos.


A determinação foi publicada no Diário Oficial da União em 19 de julho de 2012 (pág. 112 – seção 03), e tem incidência em todo território nacional.


Segundo o engenheiro Márcio Rodrigues de Freitas, coordenador-geral de Avaliação e Controle de Substâncias Químicas do Ibama, a decisão foi baseada nos impactos da produção agrícola e o meio ambiente, além de extinção de abelhas.

Estudo da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), de 2004, mostrou que as abelhas são responsáveis por pelo menos 73% da polinização das culturas e plantas. “Algumas culturas, como a do café, poderiam ter perdas de até 60% na ausência de agentes polinizadores”, explicou o engenheiro.

A primeira substância a passar pelo processo de reavaliação será o imidacloprido, que responde por cerca de 60% do total comercializado dos quatro ingredientes sob monitoramento. A medida afeta, neste primeiro momento, quase 60 empresas que usam a substância em suas fórmulas. Dados divulgados pelo Ibama revelam que, em 2010, foram comercializadas mais de 1,9 mil toneladas do ingrediente no país.

A reavaliação é consequência das pesquisas que mostraram a relação entre o uso desses agrotóxicos e a mortandade das abelhas. De acordo com Freitas, nos casos de mortandade identificados, o agente causal era uma das substâncias que estão sendo reavaliadas. Além disso, em 80% das ocorrências, havia sido feita a aplicação aérea.


AGRICULTORES PROTESTAM




Setores do agronegócio protestam no sentido de que a proibição na aplicação de agrotóxicos em qualquer tipo de cultura, por via aérea, deve prejudicar o plantio da soja.

De acordo com o presidente da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja), Glauber Silveira, a proibição do uso de 30 produtos está causando prejuízos ao setor. Conforme ele, há locais nas lavouras onde não é possível fazer a aplicação do defensivo por via terrestre. "Mas a medida impede o uso de aviões". O setor teme que, sem os defensivos a produtividade fique comprometida.

Para o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Carlos Fávaro, o Brasil precisa avançar nas pesquisas se quiser garantir o aumento sucessivo na produção. "Desde 2008 não há liberação de novas moléculas de produtos químicos. Estamos ficando para trás, já que os Estados Unidos, por exemplo, estão há três anos com produtos mais eficientes que os nossos"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO emite nota técnica sobre integração do MP na proteção dos recursos hídricos

Comissão de Meio Ambiente emite nota técnica sobre integração do MP na proteção dos recursos hídricos   Na última segunda-feira, 11 de ...